CULTURA EM REDE: A COOPERAÇÃO DOS MUNICÍPIOS E A VALORIZAÇÃO CULTURAL

04/01/2019

A cooperação intermunicipal baseia-se no desenvolvimento de parcerias entre Municípios com o intuito de promover o desenvolvimento dos territórios nas mais diversas vertentes: económica, social, institucional, cultural, comunitária, etc. Na verdade, o contexto de globalização que vivemos impõe desafios novos aos territórios, nomeadamente aos territórios de baixa densidade, apenas ultrapassados com a união de esforços e a potencialização de recursos comuns. A cooperação intermunicipal é, por conseguinte, o mecanismo ao serviço dos Municípios para o aproveitamento de recursos escassos, para a sua afirmação numa demanda por maior visibilidade e reconhecimento externo e para que os resultados sejam maiores que a soma das partes isoladas. 

No campo da Cultura, a cooperação intermunicipal adquire uma importância mais significativa, considerando a extrema necessidade de investimento público nesta matéria. A Cultura é um setor da mais elevada importância para a formação de sociedades avançadas e para a consolidação de comunidades coesas, não sendo, porém, um setor atrativo para o investimento privado. A preservação e valorização da memória coletiva, do património material e imaterial e das expressões comunitárias identitárias são fatores de diferenciação dos territórios de baixa densidade, passíveis de ativação através da promoção da Cultura. Deste modo, num cenário de concorrência territorial e de recursos escassos, a cooperação intermunicipal é o mecanismo ao dispor dos territórios para investir na Cultura e dessa forma acrescentar valor aos territórios de baixa densidade e valorizar as gentes que neles residem.

A Programação Cultural em Rede é a representação mais comum de cooperação intermunicipal no setor cultural. A programação cultural em rede consiste na união de territórios / municípios / organizações culturais com vista à criação de um calendário comum e partilhado de eventos culturais que tire partido, ora da união, ora da diversidade, das entidades que compõem a rede. Sob o mote de que a união faz a força, a programação cultural em rede permite (i) a eficiência orçamental na gestão de programas culturais, (ii) a itinerância e a partilha de práticas culturais no seio da rede e (iii) o incremento da visibilidade dos territórios e o consequente reforço da captação dos fluxos turísticos. A programação cultural em rede é uma política cultural inovadora, eficiente e participada para a promoção da cultura e da notoriedade nos territórios de baixa densidade.

 

São vários os exemplos de projetos de Programação Cultural em Rede existentes em Portugal, nomeadamente na Região Centro que demonstram na prática os benefícios na aplicação desta metodologia.

 

5 municípios. 5 culturas. 5 sentidos.

O projeto 5 municípios. 5 culturas. 5 sentidos. é mobilizado pelos Municípios de Águeda, Idanha-a-Nova, Lousã, Óbidos e São Pedro do Sul, numa parceria que vê na diferença de padrões culturais e na distância geográfica entre territórios fatores competitivos para o desenvolvimento cultural e para o reconhecimento das regiões. A rede concebe que cada Município é uma referência numa determinada matéria cultural, a saber:

» Idanha-a-Nova | Cultura Musical

» Óbidos | Cultura Literária

» Águeda | Cultura Criativa

» São Pedro do Sul | Cultura Feminina

» Lousã | Cultura Pedagógica

 

Esta multiplicidade cultural é ativada e aproveitada com a itinerância e intercâmbio de práticas no seio da rede e é visto como um contributo importante para o enriquecimento e dinamização cultural dos territórios envolvidos.

Promotores: Municípios de Águeda, Idanha-a-Nova, Lousã, Óbidos e S. Pedro do Sul

Link: http://www.projetocinco.pt/

 

ALTO MONDEGO’ rede cultural

A rede ALTO MONDEGO’ rede cultural promove iniciativas culturais nos quatro municípios parceiros com o intuito de dinamizar e valorizar o património cultural, partilhado geograficamente ao longo do curso do rio Mondego - denominador comum aos quatro concelhos - de modo a posicionar este território como um destino singular, criativo e atrativo para o turismo cultural. No primeiro ano de implementação deste projeto, foram envolvidos os grupos filarmónicos locais que beneficiaram de ações coletivas de qualificação, resultando na apresentação de quatro espetáculos e na valorização da memória filarmónica, característica desta sub-região.

Promotores: Municípios de Nelas, Mangualde, Fornos de Algodres e Gouveia

Link: https://pt-br.facebook.com/AltoMondego/

 

Beira Baixa Cultural

A Comunidade Intermunicipal da Beira Baixa (CIM-BB), em parceria com os 6 Municípios que a constituem, lidera o projeto Beira Baixa Cultural que revê na ativação do património cultural, tanto de cariz material, como de cariz imaterial, um instrumento para o duplo objetivo de (a) preservar a memória coletiva e o património identitário e (b) posicionar a sub-região da Beira Baixa como destino de eleição no turismo histórico-cultural, através de atividades como visitas guiadas ao património, festivais de música tradicional, exposições e ateliês.

Promotores: Comunidade Intermunicipal da Beira Baixa, Municípios de Castelo Branco, Idanha-a-Nova, Oleiros, Penamacor, Proença-a-Nova e Vila Velha de Ródão.

Link: http://www.cimbb.pt/o-que-fazemos/projetos-em-curso/beira-baixa-cultural.aspx

 

Cultura em Rede das Beiras e Serra da Estrela

O projeto Cultura em Rede das Beiras e Serra da Estrela aposta na capacitação da comunidade para a valorização das artes. O projeto envolve todos os elementos das comunidades locais que, anualmente, trabalham com companhias profissionais nas áreas da Música, da Dança e do Teatro para a produção e apresentação de espetáculos originais que retratem a identidade cultural do território beirão e serrano. O projeto parte do pressuposto de que a comunidade é portadora da identidade cultural e da memória coletiva e força motriz para a sua preservação e valorização para fins culturais, sociais e turísticos.

Promotor: Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela, Associação de Municípios da Coba da Beira e Municípios de Almeida, Belmonte, Celorico da Beira, Covilhã, Figueira de Castelo Rodrigo, Fornos de Algodres, Fundão, Gouveia, Guarda, Manteigas, Mêda, Pinhel, Sabugal, Seia e Trancoso.

Link: https://cimbse.pt/cultura-em-rede/

 

RURIS

A RURIS desenvolve estratégias de conceção e implementação de projetos de promoção e valorização do património turístico, natural e cultural. Em específico no património cultural coordena e acompanha os projetos de Programação Cultural em Rede referidos anteriormente, sempre numa lógica de serviço ao desenvolvimento dos territórios de baixa densidade.